Prostitutas?

•February 11, 2011 • Leave a Comment

Gostaria de poder entender essa nova leva de cantoras, saídas de programas vazios americanos. Quer dizer então que além de atoras, todas elas são ótimas cantoras? Belíssima descoberta então para o caça-talentos que convidou elas a trabalhar, pq ele deu uma sorte muito grande em achar atores-cantores mirins. Ou esse lixo todo também pode ser algo produzido com apenas um fim: lucro interminável.

Não bastando, eles vestem as jovens com roupas de prostitutas dos anos 80, com paletós com ombreiras e blusinhas decotadas e coloridas. O conteúdo do som, a letra que deveria ser a essência e que transmitisse algo para quem ouve, de longe passa alguma mensagem. Muita luz, flash, pessoas dançando e bebendo, clipes super produzidos e reproduzidos na sua tela o tempo todo fazem com que a sua filha de 13 anos queira ser como ela, uma jovem prostituta. E depois vem a questão, porque tantas garotas estão engravidando e bebendo. Não precisa ser um gênio ou estudioso do comportamento humano pra perceber que o lixo fabricado pelas grandes produtoras entorpecem a razão de jovens e, ao invés de decidirem virar médicas ou alguma profissão que revolucionará o mundo, escolhem ser mais uma cantora de sucesso.

A própria boneca Barbie já vai contra tudo o que pensamos que era bom. Não vestem bonecas com jalecos e com uma profissão e sim uma vagabunda montada em um vestido luxuoso, com um Corvette rosa e um bombadão loiro do lado.

Você espera que a sua filha escolha o que desta forma?

Ter vinte e poucos anos

•February 7, 2011 • 1 Comment

Achei um texto interessante e decidi postá-lo aqui.

Enfim, se chega aos 20 anos de idade… 21, 22, 23 e assim por diante .Isto é chamado de “crise de um quarto de vida”. É quando você pára de sair com a galera e começa a perceber muitas coisas sobre você que você mesmo não conhece e pode não gostar disso.

Você pensa sobre onde vai estar daqui a um ano ou dois, mas de repente se sente inseguro porque você mal sabe onde está agora. Você começa a perceber que as pessoas são egoístas e que, talvez, aqueles amigos que você pensou que eram tão próximos não são exatamente as melhores pessoas que você encontrou em seu caminho, e pessoas que você perdeu o contato eram algumas das mais importantes. O que você não consegue perceber é que eles percebem isso também, e não estão sendo frios, grosseiros, ou falsos, mas estão tão confusos quanto você.

Você olha para seu emprego…e não é nem perto do que você imaginava que estaria fazendo, ou talvez você esteja procurando emprego e percebendo que vai começar do zero e isso pode te assustar.

Suas opiniões se tornaram mais fortes. Você vê o que os outros estão fazendo e se encontra julgando mais do que o usual, porque você percebe que desenvolveu certos limites na sua vida e está constantemente adicionando coisas na sua lista do que é
aceitável e o que não é.

Em um minuto, você está inseguro e no próximo, seguro. Você ri e chora com a maior força da sua vida. Você se sente sozinho, assustado e confuso, de repente, a mudança é sua maior inimiga e você tenta se agarrar ao passado com a vida boa, mas logo percebe que o passado está cada vez mais longe, e não há nada a se fazer a não ser ficar onde está ou caminhar para a frente.

Você tem seu coração quebrado e pensa como alguém que você amava tanto pôde causar tanto estrago em você. Ou você fica deitado na cama e pensa por que você não poderia encontrar alguém decente o suficiente que você queira conhecer melhor. Ou às vezes você ama alguém e ama outro alguém também e não consegue imaginar porque você faz isso, já que você sabe que não é uma má pessoa. Ficar com alguém por uma noite ou galinhar começam a parecer ridículos. Agir como um idiota se torna patético.

Você sente as mesmas coisas e enfrenta as mesmas questões de novo e de novo, e conversa com seus colegas sobre as mesmas coisas porque você não consegue tomar decisões. Você se preocupa sobre empréstimos, dinheiro, o futuro e construir sua própria vida…e enquanto ganhar a corrida seria maravilhoso, neste momento você gostaria apenas de participar! O que você pode não perceber é que todos que lêem isso encontram algo em comum.
Estamos em uma das melhores e piores épocas da vida, tentando o máximo que podemos para ser feliz.

(fonte: http://www.euodeio2afeira.blogspot.com)

A maldita inclusão digital…

•August 6, 2010 • Leave a Comment


Hoje, pesquisando sobre alguns temas interessantes, voltei a ler sobre a inclusão digital. Em um blog, era indagada o quão superior seria uma classe social a ponto de definir o termo “maldita inclusão digital”, expondo ao ridículo um ato, texto ou foto.

Pois bem, o blogueiro questionou diversos itens e até voltou na época da colonização para tentar justificar tal ato, exemplificando com a colonização européia, que julgava os índios uma cultura atrasada e necessitada de atualização (como são hoje os mais ninjas na internet com aqueles que acabaram de receber um computador).  Após qualificar esta e outra comparação como uma “definição subjetiva”, ele informa que, para aqueles que possuem um conhecimento avançado devam filtrar as informações que não lhe são úteis e ainda dá a dica de como fizeram com a Xuxa, ao informar que digitar em caixa alta significa “gritar”, na linguagem da internet.

Eu posso ajudar, nunca recusei auxílio a ninguém. Mas aqueles que possuem um conhecimento avançado não podem simplesmente tentar doar “bom senso”. É, é esse o termo, bom senso. Falta bom senso nessa galera que caiu pra internet agora. A mesma galera consumidora de eletrônicos que, de forma desenfreada, adquire todo e qualquer item eletrônico, se endividando de todas as formas possíveis e imagináveis, apenas pra mostrar pro vizinho que ele agora tem e o outro não. Fotos de crianças cagando colocadas no orkut e pasmem, foto até do produto fabricado em diversos ângulos (pra não dizer que eu menti, pode procurar no Tolices do Orkut) entre outras peculiaridades estão inundando a internet.

A internet é como um bairro. Você tem alguns que conhece, outro que apenas de vista e alguns desconhecidos. Se um vizinho seu fala merda, como você conhece ele, acabamos chegando junto pra conversar e discutir uma forma de se portar melhor afim de evitar problemas. Agora aquele que passa na frente da sua casa, gritando e aloprando, acredite, você não terá a mesma paciência, por 2 motivos simples: assim como na internet, você estava aqui antes e antes não era assim, essa putaria geral e também por não ser obrigado a “doar” bom senso, pois você nem conhece o otário em questão.

Portanto, aqui fica o meu palpite. Sim, a inclusão digital é uma merda. É uma merda, porque, ao meu ver, deram porte de arma pra quem não sabe atirar. O peão não sabe escrever direito e ao invés de se aprimorar o que lhe falta, ele adquire um computador. É como não saber atirar e ir comprar uma bazooca. Caralho, você nem atirar sabe, porque vai comprar a arma mais potente?

Pense nisso…

Dono do corsa vinho

•August 5, 2010 • 1 Comment

Ei, você mesmo amigo…Você, dono do corsa vinho com o kit cromado baianão (aqueles frisos cromados e maçanetas espelhadas, tentando imitar um Audi A8 2010). Hoje de manhã, lá na avenida XXXXXX. Sou eu, lembra? O cara que você fechou…Isso, aquele que você nem olhou pelo retrovisor, não deu seta e jogou o carro em cima. Eu queria apenas lembrar você, que por esta e outra atitudes, você não passa de um gradessíssimo filho de uma puta. Ah, e como você não precisou dar seta, espero que o seu braço caia.

É dada a largada…

•July 23, 2010 • Leave a Comment

Bom, não existe muito pra falar por enquanto, mas este promete ser o mais novo blog futurista, repercussivo, inovador, questionador e efusivo. Com a ilustre presença de Celso e eu, teremos atrações inéditas na telinha (lembrando que posts após uma bela bebedeira estão autorizados).

E como diz aquele enunciado ridículo da Globo: Essa turminha do barulho vai causar uma confusão só…

Pra quem leu e ainda vai ler, boas vindas.